terça-feira, 2 de março de 2010

não espere(m) nada de mim...

... não hoje que não estou legal e meu filho precisa de mim. E estou tão abalada a ponto de ser grosseira. E ando tão distraída que não consigo cuidar nem do meu próprio sistema imunológico.

e não me traga(m) mais problemas. Quero antes o silêncio do que qualquer coisa que eu não possa resolver. Não resolver me apavora. Sou prática, metafórica, porém objetiva. Adiar me mata.

e por favor, perdoe minha falta de tato. É fase. Porque tudo está acontecendo ao mesmo tempo. E de não ter tempo nem mesmo de respirar, é que fico angustiada como asma que não sara.

Ainda esperando por melhoras.

Wendy.