quinta-feira, 27 de novembro de 2008

"Avesso"

homo



Nós já temos encontro marcado
Eu só não sei quando
Se daqui a dois dias
Se daqui a mil anos
Com dois canos pra mim apontados
Ousaria te olhar, ousaria te ver
Num insuspeitavel bar, pra decência não nos ver
Perigoso é te amar, doloroso querer
Somos homens pra saber o que é melhor pra nós
O desejo a nos punir, só porque somos iguais
A Idade Média é aqui
Mesmo que me arranquem o sexo, minha honra, meu prazer
Te amar eu ousaria
E você, o que fará se esse orgulho nos perder?

No clarão do luar, espero
Cá nos braços do mar me entrego
Quanto tempo levar, quero saber se você
É tão forte que nem lá no fundo irá desejar

O que eu sinto, meu Deus, é tão forte!
Até pode matar
O teu pai já me jurou de morte
por eu te desviar
Se os boatos criarem raízes
Ousarias me olhar, ousarias me ver
Dois meninos num vagão e o mistério do prazer
Perigoso é me amar, obscuro querer
Somos grandes para entender, mas pequenos para opinar
Se eles vão nos receber é mais fácil condenar
ou noivados pra fingir
Mesmo que chegue o momento que eu não esteja mais aqui
E meus ossos virem adubo
Você pode me encontrar no avesso de uma dor

No clarão do luar, espero
Cá nos braços do mar me entrego
Quanto tempo levar, quero saber se você
É tão forte que nem lá no fundo irá desejar

"Dedico essa música de Jorge Vercillo para meus amigos: Viajante do Sertão Sideral, D******, Josh, e todas as pessoas que amam iguais, e são discriminados por isso, seja lá como for."

3 comentários:

  1. Firmina
    Você toca porque sabe tocar! O viajante ficou tocado e em meio a toda essa turbulência que a vida dele está, mais do que nunca agradecido por poder ter a dádiva de ser seu amigo... mesmo que o viajante vá singrar para outros mares, certamente, nunca te esquecerá!
    Beijos, beijos, beijos, beijos, beijos
    Helder Viajante do Sertão Sideral

    ResponderExcluir
  2. fiquei sem folego.. lindo demais :) :) forte e imenso.

    ResponderExcluir

**O que dizer do que escrevi?**