terça-feira, 1 de junho de 2010

Match Point (a vida é uma questão de sorte?)

Comprei esse filme pra ver final de semana passado, mas só ontem consegui assistir.

[match_point.jpg]

A história é a seguinte: um tenista, aspirante a socialite, resolve subir na vida aproveitando todas as oportunidades que lhe são dadas. A teroria dele é (de forma beeeeem resumida) que na vida, é preciso ter SORTE. Logo no início do filme o personagem aparece lendo CRIME E CASTIGO, o que me faz remeter todos os atos dele ao livro e ao personagem principal do romance de Dostoievski.

A trama principal  gira em torno de três personagems: Cris - professor de tênis, Chloe - a mulher rica dele (Lichia, achei ela sua cara!!), e Nola Rice - a amante fatal de Cris.

O que eu achei mais interessante foi como o Woody Allen conseguiu retratar bem a questão da traição/paixão X casamento/comodismo. O que acontece é que numa hora a amante é a pessoa mais importante da vida do cara, ele nem mesmo consegue fazer amor com sua mulher, de tanto que deseja a Nola, mas.. tudo muda quando ela passa a ser inconveniente ficando grávida.

Eu acho incrível como existem mulheres como a Nola, que acreditam MESMO que os seus amantes estão tão apaixonadinhos que vão deixar a sua vidinha tranquila para começar uma nova vida ao seu lado! Como se fosse possível acreditar em alguém com um mau(valeu Pimentinha pelo toque da correção do Mal/mau) caráter desses. Obviamente o mancebo faria EXATAMENTE igual com a pobre mulher - que já foi sua amante, mesmo sabendo que ele era casado e blá blá blá... - ou até pior! Eu sei que é ignorância generalizar as coisas, principalmente falando de seres "humanos". Mas nunca vi a história acontecer de forma diferente nessas 30 e tantas primaveras de vida. E sabe por que? (agora vai soar como feminismo, mas, tô nem aí) é que o desejo do homem - sexo masculino - consegue ser egoísta a ponto de passar por cima dos sentimentos alheios e da felicidade dos outros. Simples assim!

Na minha opinião, o filme poderia lindamente ter o título de: Match Point: O preço de alguns orgasmos!!
[match_point_212.jpg]

Nota sobre SCARLETT JOHANSSON: não consigo simpatizar de forma e maneira nenhuma com ela. Me passa um certo tipo de sensualidade forçada - pela sua beleza óbvia. Em todos os filmes que já vi, e espero me surpreender num futuro próximo, ela faz exatamente o mesmo papel de loira-fatal-sonsinha... Arght!!

About the Movie: Amei o filme - apesar de todos os apontamentos aqui, e justamente por eles. Enredo bom, levanta toda uma questão moral/social contada de forma interessante. Recomendo.

Uma curiosidade: eu nunca fui traída que eu saiba, nem nunca fiquei/namorei homem casado que eu saiba. Nem muito menos acho que a pessoa tem que fazer isso ou aquilo. Mas sinto pena, muita pena, de quem acredita em certos papinhos pra fazer levar pra cama. Fato: eles sempre voltam pras suas vidinhas, por mais insatisfeitos que pareçam.

Uma conclusão: pra mim, a vida não é uma questão de sorte, mas uma questão de ESCOLHAS.

Bom início de semana.

p.s. comecei a ler COMER REZAR AMAR.

p.s.2. recomecei a ver filmes mesmo sozinha, como costumava fazer antes de Davi. Sim, sinto a falta de ver com alguém e poder comentar. Me sinto bem ao fazer isso. Exercício de altruísmo ao respeitar vontades, e amor próprio, ao fazer as minhas!

5 comentários:

  1. Acho que não tem outro jeito né, é querer demais que algo que começou errado acabe bem. 99,99% dos casos extra conjugais vão dar em nada mesmo ou então terminam em situações horríveis.

    Acredito que a gente deve ser feliz, mas a felicidade real só é conquistada através de atos corretos.. e traição nunca fui e não será um ato correto.

    Boba mesmo da mulher que sonha e acredita nisso.

    E tudo isso aí acabou num bom filme que eu nunca assisti rs né Wendesita mas se pá eu assisto!

    Concordo com vc /amor a vida é feita de escolhas, o seu futuro depende das atitudes que vc toma AGORA!

    ResponderExcluir
  2. A verdade, é que os amantes também são vítimas. Vítimas de suas paixões, de seus desejos, de seus descontroles e desequilibrios. Quando se apegam ao objeto de desejo, esquecem que há limites entre o desejável e o absurdo...e aí, FUDEU!

    ResponderExcluir
  3. Que graça teria o mundo sem as amantes-esperançosas? Inspiração para personagens mais cômicos, inclusive na vida real. É tão cretino, que chega a ser engraçado.
    Gostaria de ver o filme...

    ResponderExcluir
  4. Ah.. boa sorte com o exercício de altruísmo e amor próprio (na vdd juntando os dois vira um programa de exercícios de amor liberto). eu também estou sempre praticando.

    ResponderExcluir
  5. Difícil seria explicar a sensação ao você falar diretamente comigo. Acho q foi assustador. Por um minuto achei q estivesse falando comigo mesma, exceto, pela qualidade literária :P. A falta da descrição, realmente, não sei se deve-se ao fato de a única coisa a passar pela minha cabeça foi "eu sou um apêndice" rsrsrs, ou se não qro me envolver mto com esse blog e depois abandona-lo, como já fiz algumas vezes.

    ResponderExcluir

**O que dizer do que escrevi?**